Conteúdo para pessoas comuns

"Do nascimento aos 18 anos, uma mulher precisa de bons pais. Dos 18 aos 35, precisa de boa aparência. Dos 35 aos 55 precisa ter muita personalidade. Dos 55 em diante, precisa de dinheiro." (Sophie Tucker)

Minha vida Virtual

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Resenha do filme: Pro dia nascer feliz

     O filme que na verdade é um documentário, mostra dados alarmantes sobre a situação sócio-educacional brasileira, destacando as diversas situações que o adolescente brasileiro enfrenta dentro da escola. Ricos e pobres em problemáticas diferentes em escolas diferentes de regiões brasileiras distintas.
O filme traz a grande ideia de mostrar os relatos de alunos e os educadores e como é a realidade das escolas públicas e privadas que existem nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. 
Eu assistir a esse filme na faculdade para a realização de um trabalho em dupla, mas, precisamente uma resenha crítica. É lógico que todos nós sabemos, mesmo que minimamente, a realidade da educação pública do país, mesmo assim, o filme trás uma riqueza de detalhes que impressiona qualquer um.
No início do documentário a realidade mostrada é de uma escola do interior de Pernambuco, os problemas que os alunos e professores enfrentam todos os dias. Uma das cenas mais chocantes é a entrevista realizada com uma das alunas da escola desse estado, a aluna de grande potencial, pois tem o hábito de lê grandes escritores e a própria produz ótimos poemas, mas quando chega à escola não tem o seu talento reconhecido pelos professores e sem falar, da grande dificuldade que não só ela, mas, como todos os estudantes daquela cidade enfrentam todos os dias, pois a escola é distante e a estrutura física do prédio da escola é precária, o transporte oferecido para esses estudantes também é precário, e muitas vezes ele quebra e com isso os alunos não podem ir a escola, e o pior, e quando esse alunos conseguem chegar à escola se deparam com a questão dos professores desinteressados e faltosos. O relato de uma das professoras desta escola, reconhece o problema vivido pelos alunos, mas em relação aos desinteresses dos professores, atribui à culpa aos próprios alunos que, segundo ela, eles não colaboram na aula desestimulando o educador. Quando o filme se volta para uma escola do Rio de Janeiro a realidade muda a problemática é outra, são outros fatores influentes são outras dificuldades e uma outra realidade social com problemas diversos. Nesta escola os problemas são: com a violência, e professores e alunos desinteressados e faltosos. Os relatos de alunos mostram seus medos e até sues envolvimentos com o crime, drogas. Os professores também em suas entrevistam relatam sues receios a falta de respeito por parte dos alunos, a falta de interesse dos próprios alunos. Uma cena importante do filme é da reunião do conselho de professores que no qual, discutem sobre o desempenho de cada estudante. O aluno em discussão no momento da filmagem é justamente o estudante que o filme mostra sendo entrevistado cenas anteriores. O curioso é que na reunião alguns professores querem reprová-los, porém, outros mesmo sabendo que ele não conseguiu desempenho necessário querem aprová-lo, alegando que ele tem se desenvolvido qualitativamente e uma reprovação seria desestímulo para esse aluno. Nesta cena do filme faz-se uma “ligação” que no qual, interliga a vida do aluno Delvison com os seus conflitos pessoais sócias e os relaciona com os reflexos que isso produz no cotidiano escolar e com seus professores, ou seja, a repercussão de um comportamento é bastante influenciador quando está em convívio social dentro da escola.
Já a filmagem realizada em São Paulo, traz entrevistas de alguns alunos e um pouco do contexto assim como, nas outras cenas anteriores se repete alguns problemas como aulas canceladas devido aos professores faltosos e relatos de alunos e professores. Um destaque desta parte do documentário é a fala de uma professora sobre o papel social que atribuíram aos educadores e os problemas enfrentados dia-a-dia a falta de reconhecimento, o desestimulo e a falta de respeito por parte dos alunos e o papel que a escola tem atualmente.
Ainda em São Paulo em outra escola para jovens da elite mostra também depoimentos de alunos falando da ideia que tem sobre pobreza, seus objetivos na escola e na vida.
Enfim, o filme em si mostra o abismo existente na educação brasileira, mostrando as diferenças existentes em cada região e em cada classe social. As entrevistas dão um fator de realidade vivida dando mais ênfase ao assunto sendo colocado a “mostra” elementos como infra-estrutura, investimentos destinados a educação, a desvalorização dos profissionais da área, a relações professor/aluno e aluno/aluno, o comprometimento da carga horária, cidades que não oferecem alguns níveis de ensino. E outros temas transversais como, violência, drogas, sexualidade e discriminação. Relacionando apenas alguns pontos que foram descritos no filme “Pro Dia Nascer Feliz” com a Lei de Diretrizes e Bases da educação, podemos perceber que existe uma disparidade entre o que é posto na “lei” e o que é posto de fato na “prática”. A LDB afirma que o ensino será realizado tendo como alguns dos seus princípios a valorização do profissional da educação escolar e também a garantia de um padrão de qualidade. Porém, no filme o que fica em evidência é a desvalorização deste profissional e as condições ínfimas de funcionamento dessas escolas e a má distribuição de qualidade de ensino, que no qual, deveria ser igual para todos segundo a própria LDB.

Um comentário:

Sacramentos e Penitências